segunda-feira, dezembro 28, 2015

quinta-feira, novembro 12, 2015

Dia histórico...o Paulinho ficou sem jogo de anca.


Mesmo com o Costa, este será o governo mais à esquerda desde o PREC.
Portas fora dos ministérios é uma excelente notícia para os portugueses em geral, péssima para a Xerox em particular.
Se daquele power point manhoso que o PS mostrou com as medidas do "vamos fazer tudo", este executivo cumprir metade, já ficamos com 2016 ganho.
Jerónimo no governo. A D O R O.
Concordo com quem diz que hoje é um dia histórico. Goste-se ou não, as regras da AR foram respeitadas e o normal funcionamento também.
Veremos o que aí vem. Pior acho que não fica.
Sócrates, e agora pá?
(Ps - quem fala de sede de poder da esquerda, já se esqueceu o que fizeram Passos e Portas na altura do PEC IV
Ps1 - qualquer acontecimento que meta a Grândola a tocar nas escadarias da AR, vale só por si um momento kodak)

terça-feira, outubro 20, 2015

Quem quer o lugar que o Paulinho inventou?


Andava aqui a pregar aos meus botões quando me lembrei que Portugal ainda não tem governo. Primeira questão : já repararam que não se nota ? É o que acontece normalmente nos protectorados. Temos dois ou três mangas de alpaca e pensamos todos que existe por ali, entre o Rato e a (introduzir rua da sede do PSD - eu não me lembro e não vou Googlar detalhes que só estragam a prosa), algum poder de decisão. Mas não, é ligeiramente irrelevante. As ordens chegam da UE, da Merkel e de mais dois ou três governos de direita que mandam nos outros 27. Manda quem paga. É um clássico desde o tempo da Roma de César. Um qualquer, do Júlio ao Augusto.
Mas voltando ao burgo, dizia que que andamos no limbo e nas reuniões esquerda-direita e coiso e tal. Tenho lido bons romances nestas últimas duas semanas e alguns mistérios com golpes palacianos. Não percebo bem o escândalo das esquerdas se unirem…qual é o problema? Não representam efectivamente a maioria dos votantes? Ah e tal mas não mostraram esse cenário antes das eleicões? E então? Se mostrassem os outros 50% teriam ido votar? Passariam a ter interesse na vida política e nas decisões? Como diria Rui Oliveira e Costa, I don’t sink so.
Das várias coisas boas que apareceram na imprensa destaco a declaracão de Paulinho : ”Cedo o meu lugar no governo a António Costa”. Muito e muito bom. Qual lugar Paulinho? Aquele que inventaste em mais um jogo de cintura irrepreensível ou aquele que achas que terás num governo que ainda não foi empossado? Se algum dia quisermos contar a um filho, de forma resumida, o que é o lamacal político português, basta mandá-lo ler o Linkedin do Paulo Portas. Está tudo ali. Da lata ao esquema, passando pela ambicão desmedida.
Cavaco vai chamar Passos e dizer um “orienta-te“. Provavelmente terá a mesma sorte do que o segundo governo de Sócrates. Costa, os Seguristas e o novo BE vão fazer a cama a PSD e CDS. Cheira a poder dentro de um ano. Se tivesse que apostar fichas ainda deixava umas de lado para o “animal feroz” que entretanto se soltou.   
Continuo a achar que a alternativa PS não é uma verdadeira alternativa. Com BE, PCP e o Livre (a quem os eleitores não deram qualquer hipótese) em lugares de decisão, já acredito mais. E ao contrário da maioria não vejo como negativa esta abertura de BE e PCP para a negociacão. Prefiro que neguem alguns dos seus valores da campanha para entrarem em zona de decisão do que, como até aqui, ter o Centrão e a sua teia de interesses a gerirem o dinheiro público.
Um dado que acho interessante, pelo menos visto daqui, é a realidade dos deputados eleitos pelos círculos fora de Portugal. PS e PSD colocam os mesmos deputados há anos em representacão dos emigrantes, uma espécie de lugar vitalício, ainda por cima, segundo vou percebendo, por pessoas que nem sequer residem fora de Portugal e pouco ou nada conhecem da realidade que representam. É uma simples conta de distribuir os boys pelos lugares elegíveis. E nós continuamos a votar…fora e dentro, nos mesmos, com ou sem troika, com ou sem austeridade, com ou sem 100 000 a abandonarem o país por ano.
E no fim de tudo, o argumento que decididamente não consigo perceber e que me leva ao descrédito total. Semanas, meses de propaganda económica, com comentadores laranja em todos os canais, artigos nos jornais e a máquina bem oleada a explicar que « agora Portugal pode mais », que o esforco valeu a pena, que as contas estão em ordem e agora é que é. Mais de 30% da populacão disse que sim e concordou com esta falácia. Ora…dados públicos disponibilizados pelo INE (qualquer pessoa pode consultar) explicam que a dívida externa do país subiu brutalmente nestes 4 anos. Percebem ? Uma coisa é o país endividar-se para segurar os empregos, manter os apoios sociais, manter as empresas públicas, etc. Outra coisa bem diferente é um país aumentar a sua dívida externa, ao mesmo tempo que vende as suas empresas estratégicas, em que vê milhares abandonarem o país, em que aumenta impostos e aumenta as suas receitas fiscais. Se o que PSD e CDS dizem fosse verdade, todo este sacrifício teria que se reflectir na descida do nível de endividamente externo. É matemática simples que qualquer Camilo Lourenco consegue perceber. Mas não foi isso que aconteceu pois não ? Pois…
Até poderiam ser peaners e deixávamos a bola rolar. Mas não dá. É muita asneira junta e várias décadas ao nível do Haiti da Europa que nos esperam. E eu estou farto de gelar aqui em cima, cappice ?

terça-feira, setembro 29, 2015

Que a realidade não nos tolde a visão...tás a ceber?















Falar da redondinha baixa logo a audiência. Não combina com as discussões sobre o Guernica de Picasso, os refugiados a quem insistem chamar migrantes ou, ainda melhor, com quantos paus se faz uma canoa cheia de banqueiros e austeridade.
Eu gosto de futebol. E não o acho um tema menor. Discute-se apaixonadamente política, economia, cultura ou desporto. Desde que não se seja mono-temático, por mim qualquer debate faz sentido.
Dito isto…
O que se passa na tv portuguesa camaradas ??
Eu gosto de ouvir programas sobre a poda, discussões táticas, opcões de plantel e por aí fora. Já me aborrecem mais conversas de mão na bola e árbitro ladrão mas, a questão que se coloca é : qual é o critério na escolha destes painéis ?
Eu tenho uma sugestão para a base – domínio da lingua portuguesa. Ao nível da conjugacão de verbos pelo menos. Outra característica interessante : não ser aquele tipo de personagem a quem apetece dar pauladas de cada vez que abre a boca. Podemos juntar não estar metido em processos de corrupcão ou ter um tipo de discurso absolutamente repetitivo e monótono. A cereja no topo do bolo seria, mas talvez seja demais pedi-lo, não iniciar uma frase com um “É assim” ou verbo no infinitivo «dizer ainda que«.
É que, para um simples e comum mortal, que tem o azar de gostar de bola, torna-se um processo de vergonha alheia ver um programa destes. E aqui, cores à parte, todos os clubes têm representantes que nos envergonham. 
Miguel Guedes, João Gobern, Eduardo Barroso, António Simões, Tomáz Morais, Pedro Ribeiro, Pedro Barbosa e Rogério Alves são aqueles que mais gosto de ouvir. Também não me desagrada o Manuel « eu digo tudo » José. Defendendo mais ou menos as suas cores, são educados, com discurso assertivo e não ofendem ninguém. E não aborrecem, o que também é importante num programa de televisão.
Rui Oliveira e Costa é de um enfado que não se aguenta. Repete a mesma coisa há 10 anos e mal o homem comeca a discursar, já todos percebemos 10 minutos antes o que ele vai dizer. Homem…já se percebeu que a arbitragem é suficiente -, os jogadores bons e os treinadores bons +. Muda o disco e fala menos com os bracos. E já percebemos que foste deputado e que dominas a estatística. Mete o lado B. E não é o que é que dissesteS homem! Corta o S, cortaaaaaaa !
Rui Gomes da Silva, Manuel Serrão, Guilherme « antes pagava-se em dinheiro« Aguiar e Rodolfo «é assim« Reis também enervam qb à sua maneira. Mas devo dar o benefício da dúvida ao Serrão. Desde que Pedro Guerra entrou em cena, Serrão passou a ser uma jóia de moco. Pedro Guerra é uma personagem que, apesar de ser do meu clube, me envergonha e irrita de cada vez que abre aquela bocarra. É um sabujo da pior espécie que faz limpezas de imagem ao estilo norte-coreano. Há gravacões no youtube deste artista a ligar para um programa qualquer, fazendo-se passar por um adepto de nome diferente, a despejar a propaganda vierista. Concorde eu ou não com tudo o que o Vieira faz no Benfica, goste mais de umas coisas e menos de outras, tenho no entanto de algo a absoluta certeza : nunca, em galáxia alguma, uma avantesma destas pode falar numa televisão de canal aberto em nome do Benfica. É uma vergonha e um enxovalho semanal.
Pior do que este Pedro Guerra, ou vá, a par e passo, está o Inácio. Nunca tinha reparado, porque também não tinha perdido mais do que 5 minutos a ouvi-lo, que este rapaz faz o Manuel Fernandes parecer um poeta. Em cada frase dá 7 calinadas entre um clássico «tás a ceber ?«. ProntS Inácio ? FizestS e depois não pagáTeS ? Não Inácio, não ‘tou a ‘ceber como é que falas 2 horas por semana em horário nobre.
Temos que criar nos estúdios de TV um ambiente de tasca só porque o assunto é bola ? Por favor…tirem-me os pregos, como dizia o poeta da Nazaré.
Não podem meter o Carlos Daniel, o Guedes, o Gobern e o Barroso/Alves nos 3 canais ?
Dito isto, não quero acabar este misto de Eduardo Cintra na TV Guia com Rui Santos no iPad, sem dar os parabéns ao FóCulDoPorto. Parece que fizeram ontem 122 anos e eu não quero deixar passar a efeméride. Ao contrário dos meus camaradas Gloriosos, não fico nada chateado com a falsificacão da data. Aliás, até acho bem. Por alguma razão os nossos rivais acham que, se conseguirem criar a ilusão de que foram o primeiro clube a ser formado em Portugal, ganharão nova dimensão. E por mim tudo bem. Só o facto de o tentarem já mostra que 1904 é a data a abater.
Além do mais, tendo em conta o que já falsificaram nas últimas décadas, uma simples data até vai de borla. Cada um é aquilo que deseja ser, não há limite para o sonho. Não é isso que ensinamos aos nossos filhos? Não lhes dizemos que o Dartacão existia mesmo quando eles desconhecem Dumas? Porque razão não pode Jorge Nuno festejar a data que bem lhe apetecer? Não nos atrapalhemos por essa coisa cheia de detalhes chamada realidade.
Parabéns Jorge. Pela forma como saltas décadas, chegas aos 300 não tarda.
   
  



quinta-feira, setembro 24, 2015

Como é que a Margarida enche tantas folhas com oxigénio? Como é que o Marinho ainda saca votos? Mistérios.


Não tenho passado por este bairro. Às vezes até me apetece mandar aqui umas pastilhas mais elaboradas, afinal, há tanto e bom material nos dias que correm. 
O Passos que não acerta uma, o Costa que já promete o paraíso enquanto faz um "tudo a saltaaaaar", o miúdo à beira mar que fez parar o mundo e o Charlie que o satirizou, provando que a linha entre a comédia e a estupidez é ténue. A Síria que não é problema nosso e os refugiados que vão voltar a conquistar o Alhambra.
Mas não me apetece. Pelo menos hoje. 
Apetece-me escrever umas linhas à la Margarida Rebelo Pinto. 
Estava um dia quente. Já tinha bebido um gin e sentia o pensamento a vaguear nas ondas que suavemente acariciavam o pontão. Entre a palha do chapéu ofuscavam-me dois raios de sol. Baixei a cabeca incomodada até que uma nuvem me libertasse o olhar. Espreitei, bebi novo trago para disfarcar, era ele, não restavam dúvidas! O Salvador derretia o gelo, ali, a poucos passos de mim na praia do Tamariz. Mudei o estado no facebook para esperancada. Ele não fez like. 
Estou a ficar mal disposto, é melhor parar.
O meu sonho era ser escritor. Ou algo do género.
Como diz um primo meu, os bloggers são apenas pessoas com tempo livre e acesso à internet. Está bem visto. Ainda assim alimentava a esperanca de transformar um blog, este ou o de viagens, numa publicacão. Assim qualquer coisa gira, à grande e à francesa, com traducões e tudo.
Recentemente um texto que escrevi aqui foi traduzido e utilizado contra mim em tribunal. Não era bem o tipo de traducão que tinha em mente, mas já é um primeiro passo.
Espera...será que posso dizer isto? Ainda me entalo de novo...
NOTE: this is just a note of humour! 
Voltando à poda...
Decidi comprar um carro novo. Aliás, trocar o meu por um mais velho.
Passo sempre momentos de harmonia e paz budista quando entro num stand. Se pudesse organizava uma corrida de bidões movidos a tangas. De um lado a selecão da europa de taxistas, do outro a equipa do resto do mundo de vendedores de carros.
Pergunto-lhe se está interessado em comprar o meu e, em troca, com o dinheiro que recebesse, compraria outro carro no mesmo stand. O vendedor diz que sim e pede-me a matricula do carro. Vai ao computador e a primeira coisa que faz é tentar convencer-me que o motor do meu carro tem menos 400 cc do que aquilo que eu digo. Ele sim, eu não e por ai fora mais umas 10 vezes. Viro o monitor do computador para mim e mostro a linha onde está o que ele diz + 400. Tomo noto da tanga, gosto sempre de aprender material novo, e sigo para o próximo stand.
Dou mais umas voltas e de tanga em tanga, vou petiscando em todos. Gosto daqueles cestos de fruta espalhados entre os carros. 
Meto o meu à venda no "custo justo" cá do sítio e passado alguns minutos escreve-me um camarada a perguntar se quero trocar com ele. Tem um Dodge Charger com 400 cavalos. Não faco ideia o que é isso e vou ver ao google. É uma espécie de avião sem asas que se vê muito no Pinhal Novo nas corridas noturnas da Vasco da Gama. Não é bem o target do pai de família a caminho dos 50 anos.
Desisto do assunto e vou para casa. No correio está uma supresa agradável em forma de livro. Passo os olhos por umas linhas familiares e descubro outras sobre gente que também fez a mala. Comeco a ficar mais emotivo e com saudades. A emocão é a pior conselheira numa casa vazia a 3000 km de vocês.
Enfim, ele há dias. Amanhã já quero almôndegas com "lingön sylt" outra vez. Hoje nem tanto.


sexta-feira, setembro 11, 2015

Venda de condomínios em Homs, baixa de precos!



Ando aqui às voltas com um texto. Não me apetece contribuir para entupir as redes sociais.
Aliás…esse seria um tema interessante para discutirmos um dia destes, entre um gin ou uma ginja, na praia ou numa da colinas. Quando é que ficámos tão indiferentes à miséria humana? É impressão minha ou vivemos a regra do drama diário de há uns anos a esta parte ? Num dia somos todos Charlie, no outro o miudo da praia turca. Choramos e insultamos meio mundo sem sair do sofá. Depois mudamos para a BTV e vemos o golo do Jonas,  entretemos os filhos com os iQualquerCoisa e está feito. No dia seguinte insultamos o Relvas que já comenta debates na TVI e vociferamos uma xenofobia básica contra os refugiados. Olha, está a comecar o Sporting do Jesus. Venha de lá essa cerveja. Sim, parece que está mau ali para os Mohameds e não sei quê.
Chega a pensão ou o salário. Ainda com os cortes que prometeram que nunca exisitiriam. "Filhos da puta", dizes tu junto à máquina de café ao teu colega da contabilidade. Juntos clamam por justica e desejam a maior das diarreias ao Passos, ao Sócrates e ao Costa. "Em quem vais votar ?”, pergunta o Fernando da logística. « Acho que no CDS, o Portas pelo menos defende os reformados«, respondes tu enquanto pensas na tua mãe.
E partilhas connosco no facebook. Até metes um pedaco do debate entre o Portas e a Catarina. A tua parte preferida foi aquela em que ele passou 20 minutos a falar da Grécia e se escapou a tudo o que era tema nacional. Tens uns quantos likes. Mas menos do que tiveste  naquele post espectacular a falar dos terroristas que atravessaram a fronteira da Macedónia. Em termos de activismo já fizeste a tua parte por hoje.
Apetecia-me falar da estratégia de debate do PSD e CDS. De como se escudam no Syriza ou no Sócrates, fugindo à avaliacão dos últimos 4 anos. Acho que isso beneficia a esquerda, o que te parece ? Ou da catástrofe que se vai abater na Europa por causa da última década de líderes mundiais fracos ou corruptos como Sarkozy, Bush, Blair, Hollande, Putin e Merkel que sugaram os países em seu redor ou comecaram guerras sem fim à vista. Afeganistão, Líbia, Iraque, Síria, Ucrânia. Acho estranho esta coisa dos fluxos migratórios. Quem é que não quer ficar em Homs e seu novo conceito arquitectónico ? Mais arejado, com mais estacionamento, menos trânsito. "Esta malta só quer é vir para a europa sacar subsídios", ouvi o doutor da administracão a dizer. Ele tinha gravata e tudo, deve perceber dessas coisas.
Também gostava de perguntar como é que, depois de um pai perder uma família num barco de borracha a fugir da guerra, tu te indignas com a prioridade que não é dada ao mendigo do Martim Moniz ? Ou como garantir, aqui entre nós, que a jornalista que agride miudos refugiados em fuga não é apenas o "sound byte" do dia ? Como é que podemos ficar mais humanos e menos interessados na merda do lancamento do iPhone 247 ?
Apetecia-me discutir isso tudo mas não faz muito sentido. Tu, o Fernando e todos os outros já o fizeram. Demos todos a volta ao mundo sem sair do sofá. E partilhámos tudo No Facebook, no Twitter, no Instagram e naquela que só funciona para os chineses. Mudámos o mundo deixando-o igual. Entupimos a rede com imagens do Buda a dizer que somos uma nódoa.
Cansas-me. Tu, o Fernando e o activismo de sofá. 
Vou antes ver o Benfica. E daqui a bocado vou levar roupa minha e do meu filho para esses mamões dos sírios que só querem é boa vida.

terça-feira, agosto 25, 2015

Boa sorte, apesar de tudo, é para quem fica...


A imagem não é escolhida ao acaso. Nunca é.
Reflete aquilo que nunca consigo meter na mala em cada regresso e que mais falta me faz. O céu azul e o mar que aconchega a areia com o barulho das ondas. Não vivo propriamente na Suica, convenhamos. Também deste lado há mar a perder de vista. Mas não faz barulho, não tem ondas ou areia macia, daquela que se espalha pelo carro até ao natal seguinte. Adoro.
Sobre o céu azul nem um comentário. A patente foi registada pelo Afonso Henriques.
Tendo em conta os saltos da minha infância, que pelos vistos continuarão até à 3a idade, dificilmente crio raízes onde quer que seja. Não existe o meu bairro, a minha rua, a malta lá da zona. Por outro lado, tenho relativa facilidade de integracão e de travar novos conhecimentos a cada passagem. Um pouco como dizem os russos: "casa é onde pouso a mala". Ao fim de 3 dias e com algumas pecas do IKEA, estou ambientado.
Apesar da minha cidade de referência ser Lisboa, este ano resolvi passar grande parte das férias em Santa Maria (Acores), um dos sítios por onde dividi a minha juventude.
É engracado constatar, ao fim de 30 anos de lá ter passado pela primeira vez e depois de tantas voltas pelo globo, como me senti em casa naqueles 17 km de extensão. As pessoas, as paisagens, o mar quente, os trilhos, as baías. Voltei diferente. As pessoas fazem a diferenca e a natureza também.
Gostei muito.
Mas, ainda assim, não foi dificil voltar para a Suécia. É importante para mim sentir que existe um cantinho no mundo a que posso chamar "porto seguro". Reconheco-o entre Lisboa e Vila do Porto, mas percebo também que isso só fará sentido se continuar deste lado.
Pelo meu filho, por mim e pelo nosso futuro. E percebo a simpatia da "boa sorte" na despedida mas, honestamente e tendo em conta o que vou lendo desde 2008 sobre o nosso país, a sorte desejada é toda para quem fica. Verão após verão vou ouvindo as histórias mais alucinantes sobre falta de emprego, condicões laborais ou exigências patronais que já não entram na minha cabeca. Não consigo perceber esta escravatura dos tempos modernos e muitos menos a miséria a que insistem chamar salário. Não percebo que se trabalhe um mês inteiro para pagar uma creche, um carro e uma casa. Não percebo que se viva no subúrbio porque é mais barato para estar 4h por dia no trânsito. Não percebo como é que se vive com 1 ou 2 semanas de férias. Não percebo porque estudar numa universidade comeca a ser cada vez mais um luxo. Não percebo como é que se pagam 30, 40 ou 45% de impostos para um Estado que nos suga até ao osso para safar banqueiros e distribuir tachos pelos amigos.
Portanto, o meu céu azul está a 4 horas de distância e tudo bem, vivemos bem assim. Eu e ele.
Não nos fartamos um do outro, o que é sempre bom. Dizem as más linguas que sou relativamente chato. Detalhes.
Mesmo sem o sol que me aqueceu em Julho e Agosto, a Escandinávia está há alguns anos com um crescimento económico assinalável. Na minha área continuam a gerar mais empregos do que formandos das universidades. E assim vai continuar durante mais algum tempo.
Para quem me contacta de forma privada e aqui e ali pede dicas sobre vagas, resolvi juntar umas quantas neste post, para não estar a repetir sempre tudo.
Se és de engenharia electrónica, informática, mecânica, telecomunicacões e outras desse género, tens aqui uma lista de pedidos de emprego em várias empresas. É uma amostra muito pequena (o mercado é muito maior) mas usei apenas empresas onde trabalhei ou fiz entrevistas, para poder responder a qualquer pergunta.
Fica a informacão para quem a quiser utilizar e/ou partilhar. E claro....boa sorte.



http://www.semcon.com/sv/Karriar/Lediga-jobb/


http://infotiv.se/karriar


http://www.afconsult.com/sv/Karriar/Lediga-jobb/


http://www.alten.se/jobba-pa-alten/lediga-jobb/


http://www.altran.se/karriaer/lediga-tjaenster/goeteborg/ansvariga-teamcoacher-inom-automotive.html#.VdwzH_ntmko


http://www.mca-sweden.se/careers


http://www.i3tex.com/lediga+tjanster/aktuella+tjanster/8/Page


http://www.hiq.se/#jobb/Lediga-Jobb


http://www.layer10.se/


http://movimentogroup.com/careers/


http://www.bertrandt-karriere.com/en


http://www.qrtech.se/karriar/lediga-tjanster


http://engineeringpartner.se/work-at-ep/index.html


http://www.combitech.se/Om-Combitech/Jobb-och-karriar/Lediga-jobb/


http://www.volvogroup.com/GROUP/SWEDEN/SV-SE/CAREER/LEDIGA%20JOBB/Pages/lediga_tjanster_us.aspx


http://www.volvocars.com/intl/about/our-company/careers/job-portal


http://www.highvision.se/lediga-tjanster/