sexta-feira, janeiro 19, 2007

Inacreditável!

Notícia no DN de hoje:

"Quem votar 'sim' fica sem funeral religioso

"Os cristãos que vão votar 'sim' no referendo serão alvo de excomunhão automática, a mais pesada das censuras eclesiásticas", garante o cónego Tarcísio Alves, pároco há cinco anos em Castelo de Vide (Portalegre). A excomunhão automática atinge ainda "todos os intervenientes na execução do crime, como, por exemplo, médicos e enfermeiros", sublinha, enquanto consulta página a página o Código Canónico."Se um católico aceitar a liberalização do aborto incorre na censura da excomunhão e não poderá ser reintegrado na comunidade cristã sem intervenção do bispo", sustenta ainda. Doutorado pela Universidade Católica de Salamanca em Direito Canónico, Tarcísio Alves tem distribuído nos últimos tempos, pelos paroquianos, um boletim informativo em que adverte os devotos para os "perigos" de votar "sim" no próximo referendo e as consequências, junto da Igreja, que poderão sobrevir. "Não fui eu que inventei estas regras, está tudo bem explícito no Cânone 1398" sublinha.Mas o vigário judicial da diocese de Portalegre e Castelo Branco vai mais longe ao alertar os fiéis para "outros perigos" que podem surgir, se no próximo referendo o voto recair no "sim". "Se votar no 'sim' ou se se abstiver, poderá estar também a cometer um pecado mortal gravíssimo. No referendo até as irmãs vão sair dos conventos porque senão também incorrem num pecado de omissão", adverte. Para o clérigo trata-se de "um caso grave", porque todos aqueles católicos que violarem as leis da Igreja sobre este ponto "não podem casar, baptizar-se e nem poderão ter um funeral religioso - Cânone 1331."Tarcísio Alves garantiu ao DN que "não faz política nem fala do caso durante as missas de domingo, mas no seu boletim paroquial e através de e-mails". O cónego promete continuar a "esclarecer a população e a prova disso passa pela edição, ainda hoje, de mais um boletim que no último parágrafo apela mais uma vez ao voto no 'não'". A comunidade católica de Castelo de Vide encara estes "avisos" de forma natural e aplaude a atitude do cónego. "Acho bem que expliquem os perigos do aborto às pessoas, principalmente a nós, os mais velhos, que nunca estudámos. O que sabemos é através daquilo que vemos na televisão", diz Piedade Godinho à entrada da igreja. "

...

O comentário final mostra um Portugal profundo (se bem que Castelo de Vide é já ali...) que eu teimo em acreditar. O papel deste pároco não é muito diferente do clero nos tempos da inquisição. Qualquer saber diferente do da Igreja não é válido. O povo, na sua ignorância continua a acreditar em quem parece ser a fonte fidedigna de informação. O papel da igreja é de todo lamentável. Há formas e formas de defender uma ideia, por muito estúpida que seja. Isto, é apenas aproveitar a ignorância e ingenuidade popular. Para mim, é a igreja no seu expoente máximo. Curioso é também o facto de os "esclarecimentos" prestados por este cónego à população, nem se aproximarem da questão a que eles serão chamados a votar.



25 comentários:

marília disse...

Estou estupefacta. Pior que isto, só mesmo os panfletos com a Nossa Senhora de Fátima a chorar...
Talvez seja melhor, de qualquer das forma, explicar ao sr. padre que o voto é secreto...e que, portanto, o mais certo é que ele continue a celebrar casamentos e funerais mesmo a quem tenha votado SIM. Mas saberá este senhor qual é a pergunta a que somos todos chamados a responder no dia 11...? É que não me parece.

Florença disse...

eheheh...

meh disse...

é muito triste ser possivel...

bom fds

Sandrinha disse...

Inacreditável... mesmo!

Rui Silva disse...

Como é que os padrecas sabem quem votou sim ou não?
Tem uma cadeira de adivinhação e artes mágicas?

Anónimo disse...

Muito inteligente! É tão estúpido que não entende que pode ter virado a cabeça aos provincianos da sua paróquia, mas acabou de dar um empurrão aos que provavelmente se iriam abster e até, quem sabe, a alguns indecisos. É que nos dias de hoje, ninguém tolera arrogância pública! Vão cair-lhe em cima e isso é excelente para o resultado! Deixem o Sr.Padre falar!

Tiago Franco disse...

Anónimo (para a próxima assina sff :)), nunca tinha pensado nessa perspectiva.
Agrada-me :)

Anónimo disse...

Epá, esqueço-me sempre!
Xana (Caldas)

Rosa disse...

Eu sou incapaz de fazer algum comentário inteligente no que à Igreja diz respeito. Não sei porquê, mas, normalmente, só me apetece desatar à gargalhada.

Pequenina disse...

Vamos ser todos Excomungados !!!


Pelo menos uma grande parte.... lol

Susana Guerreiro disse...

Portugal no seu melhor!!!
Acredito e quero acreditar que a nova geração será melhor e que esta pequena minoria, como quero crer, um dia abrirá os olhos.
Parece que fiquei com mais votade de ir votar. E então? Que me crucifiquem. Mas a minha consciência essa é livre e nada nem ninguém me poderá deter.

a.k.a.bicuka disse...

não querendo defender a igreja nestes comentários extremos... mas como católica, e crente... (há uma diferença!) têm que ter noção que para uma pessoa de fé o aborto é pecado, por isso votam NÃO exactamente por não quererem ser castigados.. este padre, representante de Deus na terra (para os crentes) só disse em voz alta o que muitos católicos já sabiam.

agora... cada um continua a poder votar de livre vontade.
não é preciso desatar ás gargalhadas só porque não acreditam em Deus... são crenças, e com a fé não se devia rir. chamem-nos fracos, o que quiserem... mas nós acreditamos.

Anónimo disse...

De MOVIMENTO CIDADANIA E RESPONSABILIDADE a 22 de Janeiro de 2007 às 19:19
Soubemos deste blog, por um membro pertencente ao nosso movimento e comentamos da seguinte forma: Devem-se estar a esquecer, de quantos milhões de assassinatos houveram no tempo da inquisição. Aquele tempo em que a Igreja impunha as suas vontades e as suas leis. Aquele tempo em que se condenava à morte uma mulher porque se desconfiava que tinha traído o esposo. Aquele tempo em que se matava, porque não se era religioso. Agora, pois agora esquecem-se de que a Igreja tem um Estado, o Vaticano, por sinal o Estado mais rico do mundo. E pergunto, quantas mortes assistem-se diariamente por este mundo fora, de fome principalmente , sem que a Igreja intervenha monetariamente para os ajudar? Quantas crianças são molestadas sexualmente por padres e membros da Igreja, cuja sociedade os protege porque se dizem representantes de Deus? Façam-me um favor, Ponham esse Senhor no seu lugar, não intervenha com falsos moralismos em tem à ticas que não lhe diz respeito. Excomungar um fiel porque votou SIM? E como é que esse Senhor sabe que o fiel votou SIM? Alguém me explica? O Clero, ao não poderem ser pais, jamais compreenderão o significado da palavra família , porque a família não se faz de palavras bonitas e pedagogias , a família faz-se de pão à mesa, roupa lavada, conforto, educação, saúde etc. E tudo isto custa dinheiro senhor Cónegos cónego Tarcísio Alves sabe o que é sustentar uma família ? sabe as dificuldades que as famílias passam? Senhor cónego Tarcísio Alves, chame os fieis à sua igreja e deixe-se de falsos moralismos, porque temos a certeza que algures em algum lugar, alguém tem uma história sua para contar e sabe porque? porque ninguém é perfeito e o Senhor certamente também não o é. Basta ser humano.
Movimento Cidadania e Responsabilidade

Anónimo disse...

ehehhehehe até me da vontade de rir ele devia era levar com uma vela de metro e meio pelo piiiiiiiiiiiii a cima para ver se continuava com estas merdicices o pior era se gostava

Anónimo disse...

MOVIMENTO CIDADANIA E RESPONSABILIDADE PELO SIM
No total, este movimento conta com 91 mandatários, além do apoio de nomes de todos os sectores sociais e ideológicos, como a escritora Agustina Bessa-Luís, a estilista Ana Salazar, a apresentadora Bárbara Guimarães, o juiz desembargador Eurico Marques dos Reis, o actor Rogério Samora, o escritor Rui Zink e a da artista plástica Paula Rego.
O grupo agrega pessoas pró e contra a prática do aborto, mas que concordam num ponto: nenhuma mulher deve ser penalizada por interromper voluntariamente a gravidez nas primeiras dez semanas.
No manifesto do movimento pode ler-se que “está em causa o respeito pela dignidade, autonomia e consciência individual de cada pessoa e pelos princípios da igualdade e da não discriminação entre mulheres e homens”.
“A sujeição das mulheres a processos de investigação, acusação e julgamento pelo facto de fazerem um aborto atenta contra os valores da sua autonomia e dignidade enquanto pessoas humanas” refere o documento, cujos subscritores defendem que tanto mulheres como homens, têm direito à reserva da intimida de da vida privada e familiar.
E apontam o princípio da separação entre a Igreja Católica ou qualquer outra confissão religiosa e o Estado como “elemento essencial do Estado de Direito”.
Movimento Cidadania e responsabilidade

Anónimo disse...

MOVIMENTO DEMOCRÁTICO DE MULHERES
O Movimento Democrático de Mulheres (MDM) apela aos eleitores para que estes afirmem, com o seu voto pelo “sim”, que é chegada a hora de devolver às mulheres o direito de decidir sobre a sua saúde sexual e reprodutiva, sem juízos de terceiros, sem sequelas físicas e psicológicas e sem vergonhas ou medos.
Para este grupo de cidadãs, torna-se indispensável dar uma resposta favorável à despenalização da IVG nos moldes em que é formulada na pergunta do referendo, considerando intolerável que o nosso país se mantenha à margem, nesta problemática, das orientações internacionais das Nações Unidas, da Organização Mundial de Saúde e do Parlamento Europeu.
Este grupo de eleitoras contesta igualmente o facto de Portugal continuar a ver as mulheres que interrompem a gravidez como criminosas, lembrando que, na maior parte do globo, as leis vão no sentido da despenalização da IVG e que mantê-la na clandestinidade é atentar contra a saúde das mulheres.
MOVIMENTO DEMOCRÁTICO DE MULHERES

Anónimo disse...

MÉDICOS PELA ESCOLHA
Composto por médicos, enfermeiros, psicólogos e outros profissionais ligados à área da saúde, este movimento fará campanha pelo “sim” e apresenta-se disposto a combater os enganos com a experiência científica de que dispõe, de modo a defender a saúde da mulher e combater o flagelo do aborto clandestino.
O “Médicos pela Escolha” conta entre os seus membros fundadores com responsáveis clínicos da Maternidade Alfredo da Costa que fazem questão de contrariar a ideia segundo a qual defender o “sim” é estar contra o código deontológico dos profissionais de saúde.
Convictos de que este código não reflecte o sentimento nem o pensamento de muitos dos profissionais de saúde nesta matéria específica, afirmam o seu empenhamento em fazer uma campanha em defesa de uma IVG “segura, precoce e com acompanhamento médico”.
Todos os intervenientes sustentam a necessidade da despenalização para acabar com o aborto clandestino e as suas consequências, lembrando que este é responsável pela segunda causa de morte materna em mulheres adultas e a primeira causa de morte materna na adolescência, sendo ainda uma das principais causas de complicações em gravidezes posteriores.
Deste movimento também fazem parte nomes como Albino Aroso, o pai do planeamento familiar, Alexandre Quintanilha, Henrique de Barros, o coordenador nacional da Luta Contra a Sida e também o investigador Sobrinho Simões.
MÉDICOS PELA ESCOLHA

Anónimo disse...

MOVIMENTO VOTO SIM
Acabar com os julgamentos e a possibilidade de pena de prisão para as mulheres que interrompam a gravidez até às dez semanas de gestação e resolver o problema do aborto clandestino são os dois argumentos que unem os cidadão eleitores que constituíram o “Movimento Voto Sim”, onde se incluem cerca de 50 dos 121 deputados do PS, 12 dos 75 parlamentares do PSD e cinco dos oito deputados do Bloco de Esquerda.
Apresentado publicamente no passado dia 7 de Dezembro, na Fundação Arpad Szenes-Vieira da Silva, em Lisboa, o grupo é constituído ainda por personalidades como Rui Reininho, Ricardo Sá Fernandes, Manuela Azevedo, Saldanha Sanches, Margarida Martins, Janita Salomé, Diogo Infante, Edgar Pêra, Xana, Guta Moura Guedes, Bernardo Sassetti, Boaventura Sousa Santos e Cláudio Torres, entre outros.
Os membros do movimento sublinham que Portugal tem uma legislação restritiva quando comparado com outros países da Europa e está acompanhado pela Irlanda, Malta e Polónia ao sancionar a IVG com uma pena de até três anos de prisão.
MOVIMENTO VOTO SIM

Anónimo disse...

http://www.pelo-sim.blogspot.com/
eis o nosso blog.
PELO SIM

Anónimo disse...

De http://jovenspelosim.wordpress.com/
Sabias que…
O CEDAW (Comité das Nações para a Eliminação da Descriminação contra as Mulheres) na 26ª sessão, realizada entre 14 de Janeiro e 1 de Fevereiro de 2002, fez as seguintes recomendações a Portugal:

342. O Comité está preocupado com as leis de aborto restritivas em vigor em Portugal, em particular porque os abortos clandestinos têm sérios impactos negativos na saúde das mulheres e no seu bem-estar.
343. O Comité insta o Estado membro (Portugal) para que facilite o diálogo nacional sobre a saúde reprodutiva das mulheres, incluindo sobre as leis restritivas de aborto. Solicita também ao Governo que promova a melhoria dos serviços de planeamento familiar, assegurando a sua disponibilidade a todas as mulheres e homens, incluindo adolescentes e jovens. O Comité solicita ao Estado membro que inclua informação no seu próximo relatório sobre mortes e/ou doenças relacionadas ou consequência de aborto clandestino.
http://jovenspelosim.wordpress.com/

Anónimo disse...

SOU PADRE...TENHO 37 ANOS...MAS NAO POSSO FICAR INDIFERENTE A TUDO ISTO...A MULHER TEM DIREITOS...POR QUESTÃO DE SEGURANÇA NAO POSSO DAR O MEU NOME...UM AMIGO DA VOSSA TERRA DEU-ME ESTE ENDEREÇO DE BLOG PARA COMENTAR........FAZEMOS PARTE DOS MOVIMENTOS PELO SIM.......ACREDITAMOS QUE VAMOS MUDAR AS MENTALIDADES RETROGADAS.ESPERAMOS QUE OS COMENTÁRIOS ACIMA SIRVAM PARA REFLECTIR .

Anónimo disse...

Teólogo católico diz que aborto não é sempre homicídio

O padre Anselmo Borges, teólogo e professor de Filosofia na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, pensa que "dizer que o aborto é sempre um homicídio é uma inverdade". Entrando no debate sobre o aborto pela via filosófica e teológica, Anselmo Borges propõe a necessidade de distinguir entre vida, vida humana e pessoa humana.

Anónimo disse...

Antes de comentar este artigo de opinião devo começar por escrever que não acredito que se possa referendar uma questão de consciência individual. Por isso de nada serve ouvir tantos experts em matérias de "consciência". Cada um tem a sua e neste ponto não existe contra-argumentação possivel. Teologos, padres, bispos, catolicos ou protestantes, judeus ou muçulmanos... se a consciência individual dependesse dos preceitos destas religiões porque razão tantos males e tantas guerras criminosas matam em seus nomes?
Sem querer parecer demasiadamente desagradavel para com o nosso "clero", acho que a questão da vida, e de se ser pela vida é também a questão de ser pela dignidade dessa vida. Quantos atentados à dignidade humana ja foram cometidos em prol de uma "consciência" moral imposta pela Igreja Catolica? Sera que ao proclamar o "não" ao proximo referendo de Fevereiro 2007 estamos a contibuir para a dignidade da vida humana ou a impôr mais uma ideia de "boa consciência catolica"?
Pequeno detalhe: Quem ja leu o "Crime do Padre Amaro"?

Tiago Franco disse...

Resta-me dizer obrigado pelo debate de ideias.

Paulo Lopes disse...

Como católico, quero deixar claro o assunto da excomunhão. Para um católico que vote SIM, a excomunhão não é decretada pela igreja nem pelo clero, mas sim o cristão que se auto-excomunga, ou seja, se exclui da comunhão com a igreja, que são a comunidade dos fieis. O que acontece é que a grande maioria dos cristãos não tem consciência disso. Mas para os que têm noção disso ou não tendo, foram avisados do grave perigo que podem cometer, esses já sabem o que estão a fazer. Bem haja a todos.

Claro que os não cristãos não têm que ter medo em ser excomungados, uma vez que já se excluíram da Igreja.