segunda-feira, agosto 31, 2009

Então e se explicassem ao polícia que a ciclovia é para bicicletas?

Nestas coisas do "ouvi dizer que mas afinal parece que não" nada bate o velho método da sola. É só deslizar no chão e gastar o taco a bom ritmo. Estamos em movimento para ver, ouvir e sentir. Neste caso a cidade.
Gostei do que vi. E refiro-me agora a Lisboa.
Ruas fechadas aos carros, edifícios em recuperacão na baixa pombalina, largos renovados, esplanadas e espacos design, zonas nocturnas com vida, o Tejo visto bem de perto, espacos para caminhar, parques arranjados. A cidade está a mudar, para melhor.
Aos poucos parece recuperar a grandeza de outros tempos enquanto entra no séc.XXI com ares de modernidade e bom gosto. Talvez tenha apenas percorrido as ruas certas mas o que vi deixou-me feliz e orgulhoso. Há muito ainda a fazer mas em cada curva fiquei com a sensacão de que a cidade avanca no trilho certo. Arrepio-me só de pensar que o Santana pode deitar a mão a tudo isto e bradar aos céus as "necessidades fundamentais de Lisboa" tipo parque Mayer e outras que tal...
A sério que não percebo como é que o Costa não tem isto no papo...chega a ser gritante.
Virando um pouco o flanco ao jogo (um pouco de Gabriel Alves nunca destoa), para vocês que estão ainda de férias e que entretanto se fartaram de ler o Rio das Flores porque o enredo entre Estremoz e Lisboa já não vos motiva, deixo uma sugestão para degustar no sol do ALLgarve. É só imprimir aqui e aqui.
São bem aborrecidos como convém mas facam o esforco para o voto nas legislativas ser feito em consciência, evitando a clássica do "mas eles são todos iguais".
Ainda não os li na íntegra (mas curei-me das insónias). Fiquei-me por uma "leitura na diagonal" para parecer esperto como o Marcelo, mas já reparei que num deles só há verdades e políticas sérias praticadas por arguidos da justica. Por acaso também reparei que nesse mesmo programa, tudo o que foi medida polémica (tipo avaliacão dos professores, etc) dos últimos 4 anos levou um "cancelar" no início da frase. Nada eleitoralista e até bastante sério. Não fosse este um grupo de gente séria.
Arguida.
Mas séria.

Sem comentários: