domingo, janeiro 18, 2009

Welcome Obama





Se há coisa dificil de encontrar em política internacional, essa coisa é a supresa.


Torna-se um exercício dificil, a surpresa, quando os olhos do mundo apontam para o mesmo sítio e quando nos movimentamos dentro de tanques.


É complicado...


Israel, decretou unilateralmente o fim da cowboyada em Gaza. O Hamas está de gatas dizem eles e por isso já chega.


O Hamas, de facto o grande responsável por esta guerra, fez tudo o que Israel (o seu criador, já agora...) poderia desejar: provocaram.


Israel, que já tinha o plano tracado, arrasou a Faixa de Gaza (naquilo a que na rua onde cresci se chamaria: "bater em mortos") em duas semanas com a desculpa de se estar a defender. Fê-lo no melhor momento possível...a 2 meses das eleicões internas e com um vazio de poder na casa branca, que lhes permite uma carta ainda mais imaculada do que a habitual brancura. "É a matar freguês", disse W. antes de se despedir.


Ora, segundo rezam os periódicos, o Hamas já só tem fisgas e por isso os israelitas vão voltar para casa. O facto de Obama tomar posse 3f deve ser um mero acaso. Não é que Obama vá retirar o habitual chapéu protector, os israelitas é que ainda não sabem se este vai ser tão papalvo como o anterior.


Na dúvida, escavacam tudo nas últimas horas do W. e fica tudo bem.


O Hamas, que se meteu nisto para recuperar apoio popular e dividir a Palestina em duas (era uma guerra perdida, até aqueles que acreditam nas 40 virgens deviam saber isso), foi dizimado e arrastou consigo uma populacão que já vivia num inferno diário. O que se passou em Gaza não foi uma guerra. Foi um massacre, onde um dos mais poderosos exércitos do mundo despejou bombas num tanque gigante onde por acaso vivem pessoas. O Hamas, usou tudo o que podia para conseguir a condenacão de Israel, transformando o seu povo num alvo a abater.


As baixas provam que não existiu uma guerra. Pouco mais de uma dezena de mortos do lado israelita, contra 1200 palestinianos mais 5000 feridos. Foi um massacre.


Os líderes do Hamas deveriam seguir para Haia. O ministro da defesa de israel e seu pares também. Nós (comunidade internacional), especialmente ingleses e americanos, temos que parar de perdoar os constantes crimes de guerra do estado de israel por caso da dívida eterna do Holocausto.


A situacão do médio oriente nunca terá uma solucão se israel não reconhecer o país vizinho, permitindo que este viva de forma autónoma e com ligacão terrestre entre os seus dois territórios. Isto para comecar. Acho que por esta altura do campeonato, até dão de borla os territórios anexados.


Israel não faz nada sem o apoio dos americanos.


Já é altura da europa entrar no jogo e apertar os calos ao Tio Sam.


3 comentários:

Folha Caída disse...

Eu vou mais longe.
É genocidio puro.E não são julgados????
Que raio de mundo o meu!!!!!!!!!!!!!
O parvinho da américa vai ter que um dia pedir desculpas ao mundo. Até a mim, por ter visto tão grande besta!!!!

Folha Caída disse...

Eu vou mais longe.
É genocidio puro.E não são julgados????
Que raio de mundo o meu!!!!!!!!!!!!!
O parvinho da américa vai ter que um dia pedir desculpas ao mundo. Até a mim, por ter visto tão grande besta!!!!

Anónimo disse...

city5688
den777
dark775
room522
door444