segunda-feira, março 05, 2007

1 byte = 8 bits

Há sempre um artista que é "O" esperto. Seja qual for o patamar da vida, há sempre um mete-asco por perto.
No outro dia estava num restaurante e pergunta-me o rapaz enquanto deixava a cerveja:
"De que país vens?"
"Portugal", disse eu.
"Ahhh....lembras-te de 2004? Do primeiro jogo? Do último jogo? É desse país que eu venho ", respondeu ele com 20 palavras quando poderia ter dito apenas Grécia. Olhei para ele e enquanto observava aquela penca muito semelhante a um martelo de orelhas, sorria com fair-play e sem vontade nenhuma. O bife ainda não tinha chegado e nestas coisas de cozinhas longe da vista, longe do coracão, não gosto de fiar. Portanto, goza lá, mas traz o bife limpinho.
Na escola havia o gajo dos óculos que respondia a tudo que não lhe perguntavam e que se sentava na primeira fila, porque ao colo da professora não era possível. Não gostava de jogar à bola no intervalo porque ficava sujo e acabava tudo o que era jogo para construir civilizacões. Mais tarde, esse mesmo gajo vai comecar a trabalhar sem que no entanto mude o tipo de abordagem. Deixa de ser "graxinhas" e passa a "lambe-botas", conotacão oficial para um mete-asco no mundo do trabalho. Quem nunca viu um que atire a primeira pedra.
Aqui o camarada Wally está a fazer tudo o que pode para olhar para ele de lado. Sebo, terra e pivete eram os argumentos à partida, mas Wally revela-se um "lambe" de primeira, merecendo por isso 3 referências em cada 5 textos. Há uma paixão óbvia. Parece-me.
Wally entrou na minha lista oficial de gajos a detestar....há sempre 1 ou 2 em cada emprego. Wally ganhou por direito próprio o galardão.
Wally não anda. Voa.
Pode levantar-se e andar 1m para ir buscar café, mas fá-lo com passos decididos e firmes que se ouvem no edifício todo. Wally está em movimento. Wally é um gajo ocupado. Onde vai? Buscar um simples café ou até mictar quem sabe....mas anda como se a sobrevivência do mundo dependesse dele. Nada contra, se isto não aumentasse o pitéu a sovaco.
Reunião de grupo. Cada elemento da equipa diz o que está a fazer, em que projectos está a trabalhar, etc. 1min por pessoa no máximo. Wally faz uma tese em cada palavra. Repete a accão inúmeras vezes e para um distraído parece que está na senda do Santo Graal (vi o código DaVinci ontem...a grande questão é: porque é que não fiquei quieto?? ). E tudo isto com os olhos bem esbugalhados para parecer convincente.
E como não basta ser um mete-asco, Wally é também danado para a paródia no seu mundo de 0's e 1's.
Vai um gajo buscar almoco e diz para Wally:
"Wally, queres Sushi?"
"Sim, por favor"
"Quantos pedacos Wally?"
"1 byte deles por favor"

Wally, o prémio é teu.

3 comentários:

metralha disse...

Bahhh, eu uso óculos, estava sempre lá á frente pq os meus pais diziam que era melhor para não esforçar a vista e sempre joguei á bola nos intervalos.

Já agora, qts de vós, que gozavam com os óculos, têm agora de os usar para ler esta mensagem? :P

A vingança serve-se fria! Seus Caixa d´Óculos!!! eheh

Tiago Franco disse...

Eu uso :)
Mas ia a suar para as aulas!!!

Rui Silva disse...

Que horror, ir todo suado para as aulas, que falta de higiene. Bem melhor era jogar ao berlinde!