quinta-feira, fevereiro 22, 2007

O soquete

Nota prévia: este teclado não tem "c com cedilha" e hoje não me apetece fazer "copy/paste". Já todos receberam aquele mail com as frases mal construídas para provar que o cérebro humano as consegue decifrar, portanto, estão habilitados para o que se segue.

(...)

Hábitos são hábitos. Não se discutem ou ajuízam. Vivem-se tão só. Ou então não.
Todos nós (...) nova pausa, desta vez para explicar o intervalo que compreende nós :
- malta que nasceu depois do 25 de Abril e que não teve o previlégio de conhecer esse visionário do post anterior
- malta que muito antes dos 30 percebeu que algo estava errado na frase: "Pai, empresta-me dinheiro para o café"
- malta que acha possível disfarcar roupa não passada a ferro
- malta para quem "shampoo" e gel de banho são uma e a mesma coisa
- enfim, malta que se apelida como um país e ainda acha isso "cool"

Dizia então - todos nós lidamos com o drama diário de vestir sem passar a ferro, disfarcando os vincos de toda a forma e feitio, chegando mesmo a acreditar que quem nos olha não os vê. Esta é a preocupacão máxima que consigo ter na indumentária. Talvez seja a única. Mas tenho a certeza que é a máxima. Tento também não vestir vermelho e verde em simultâneo, a não ser que em redor todos o facam e veja cá de cima do terceiro anel (há 4 milhões de pessoas que não vão perceber esta parte) 10 gajos a cantarem "...contra os canhões marchar,marchar" e 1 a fazer "playback". Resume-se a isto o meu conceito de estética.
Resumia-se melhor dizendo. Hoje em dia a meia, vulgo "soquete", desempenha o papel principal (tal como na cancão da grande Adelaide). E porquê?
Pela simples razão desta malta não usar sapatos dentro de casa.
As chanatas imortalizadas pelos alemães de meia branca no Guincho são por aqui um verdadeiro sucesso. Chegam de manhã ao trabalho, descalcam-se e toca de passear a chanata, excepto quando metem os pés em cima da mesa. Aí a coisa é mais refinada e ficam de meias. Um olhar mais desatento poderia pensar que estão com os "skis" calcados, mas ao segundo olhar reconhece-se a peúga branca 46/47.
Há também a componente social. Qualquer visita a amigos ou festa, é feita com idêntico ritual de entrada.
"Olá, olá" e toca a tirar a sapatola. É higiénico sim senhor e não arrasta lixo pela casa, mas convenhamos, retira um pouco de dignidade ao momento. Smoking e dry martini. Gel, perfume e conversas entre dentes sobre Guernica de Picasso e em pano de fundo: todos de meioca! Huummmmm....
Um gajo que queira dar nas vistas não leva uma camisa berrante ou um penteado idiota, mas sim uma meia turca, bem branca e com aquelas raquetes cruzadas. É o sucesso garantido.
Cheira-me que nunca atingirei o estrelato. Gosto de um belo soquete preto. Além de me poder abastecer na gaveta do meu pai, sinto uma seguranca tremenda quando tenho que escolher duas no monte.
Na semana passada, depois de alguém que por ali trabalha nos gamar a casa, o chefe da empresa de construcão apareceu para assumir as óbvias responsabilidades. Com cimento por todo o lado, descalcou-se e entrou. Foi porreiro porque com as meias limpou um pouco daquele encardido chão de obras.
Enquanto se discutiam custos, seguros e porquês eu só pensava: "sendo este gajo chefe de uma empresa de trolhas, não podia ter trazido uma meia sem buracos? Como posso eu dar credibilidade a um gajo que vem aqui discutir com buracos nas meias??". Há todo um ar de seriedade associado a uma meia imaculada.
E o cholé? (sempre quis escrever esta palavra)
Não há. É tão simples quanto isto. Não há.
Quando uma pessoa anda na rua com -5 graus a última coisa em que os pés pensam é transpirar.
Portanto, regras básicas para evitar vergonhas:
- meias sem manchas
- meias sem buracos
- meias iguais
- meias escuras se não tiverem fio de prata
- meias brancas se tiverem fio de prata
Neva há dois dias (mudanca subtil de assunto). Caminhei com neve até ao joelho para chegar ao trabalho.
Não vejo outra hipótese. Vou-me descalcar.

6 comentários:

Sandrinha disse...

Pois eu acho que os suecos devem ser primos dos suiços porque por aqui tambem se descalca a "sapatola" quando se entra em casa de alguém... eu ainda nâo me habituei!

ups disse...

Também por estas bandas. E também me faz confusão escolherem uma bela de toilette e depois as meias terem buracos.

Aqui também neva a 2 dias.. mas é fracote. Não chega ao joelho e já há previsões de temperaturas positivas para a próxima semana.

Florença disse...

Aqui já vai havendo esse hábito de descalçar o sapato à entrada do lar. Ainda no outro dia fui à casa de um casal amigo e, apanhada total/ desprevenida, tinha umas meias com imenso borboto que dei a conhecer aos amigos dos amigos e aos próprios amigos. Ainda me ri imenso com o meu próprio triste episódio (normal, portanto) :D

andreia disse...

ahhahahahahhhhhhhhhh ehheheheehehehehheh
a bela da meia..."mijei-me" a rir eheheheheehehh ahahahah

Lua dos Açores disse...

Uma delícia, este texto...
Tou atrasada na leitura do q escreves :-(

Ora cá vou eu recuperar o tempo perdido.
Beijinhos

Snowgaze disse...

Parti-me a rir. Este post é fabuloso.
Tenho um colega que usa as meias a combinar com a camisola, independentemente da cor das calças. Quando a camisola é amarela ou cor de laranja, isto torna-se, no mínimo, esquisito.